Discipulado no Ministério de Jesus

Discipulado no Ministério de Jesus
07/05/2013

A. O PROPÓSITO DE JESUS
 
1. Jesus formou discípulos para cumprir sua missão.
2. Jesus não parou de servir as multidões, mas Ele concentrava seu tempo e interesse em poucos discípulos.
3. Houve momentos-chave em que seu ministério foi dirigido a um ou outro discípulo.
 
 
B. DEFINIÇÃO DE DISCIPULADO
 
Fazer discípulo é o processo pelo qual o discipulador e o discipulando compartilham as suas vidas de seguidores de Jesus através de um relacionamento constante com o propósito de edificação para a maturidade cristã.
Compartilham – criam um relacionamento de mutualidade
Compartilham suas vidas – seu relacionamento vai além do ensino formal:
· Inclui atitudes e ambições comunicadas formal e informalmente por palavras, atos e gestos;
· Aprendem e vivem em comunhão;
· Tornam transparente sua vida interior, o que pensam e sentem;
· Desenvolvem atividades juntos
 
Através de um relacionamento constante:
· Estar juntos em várias circunstâncias, ao longo de um período de tempo suficiente para marcar a vida do discípulo.
· O propósito concentra-se na maturidade em Cristo para todos os aspectos do viver, servir e testemunhar.
· Inclui o relacionamento com Cristo, com outros “em Cristo” (a igreja) e com não-crentes por amor a Cristo.
 
 
C. OS ELEMENTOS-CHAVE DO DISCIPULADO
 
Observação – Os discípulos de Cristo foram convidados a segui-lo e “estar com Ele” para observá-lo e a seu ministério e imitar o seu caráter (Mc.1:17; 3:13)
 
Instrução – Jesus passou para os discípulos tanto conteúdo cognitivo como maneiras práticas de servir (Mc.6:7-11; Lc.9:1-9; 10:1-12). Um discipulado inclui instrução sobre as grandes verdades da fé e como viver de modo santo e íntegro.
 
Obediência – O “segue-me” de Jesus requer obediência, a disciplina necessária para se desistir dos desejos e planos próprios para atender ao que Deus quer.
 
Missão – Jesus os enviava para ensaiar experiências práticas, dando-lhes oportunidades para testar seu compromisso, obediência e confiança (Mc.6:7-11; Lc.9:1-9; 10:1-12). Como parte do preparo dos seus “Timóteos”, Paulo também lhes dava tarefas (1 Tm.1:3; 3:11; Tito 1:5).
 
Supervisão, revisão e avaliação – Jesus elogiou, corrigiu e advertiu seus discípulos (Lc.10:17-24). Paulo também incorporou estes elementos em seu discipulado ( 1Ts.1:5-12)
 
Prestação de contas – Relatavam a Jesus “tudo o que tinham feito e ensinado” (Mc.6:30).
 
Equipes – Jesus enviou seus discípulos “dois a dois” (Mc.6:7), reconhecendo a necessidade de cada um ajudar ao seu colega.
 
 
D. OS PASSOS NA FORMAÇÃO DE DISCÍPULOS
 
1. Eu faço – eles observam - O discipulador executa enquanto que os discípulos apenas observam.
 
2. Eu faço – eles ajudam - O discipulador já envolve os discípulos no processo para ajuda-los a por em prática os princípios aprendidos.
 
3. Eles fazem – eu ajudo – O processo é invertido. Agora os discípulos põem em prática enquanto que o discipulador os ajuda.
 
4. Eles fazem – eu observo – Os discípulos põem em prática e o discipulador apenas observa dando liberdade para os discípulos.
 
5. Eles fazem – outros observam – Ocorre a multiplicação. Aqui os discípulos devem gerar frutos, passando a ser discipuladores, repetindo o primeiro estágio.
 
Fonte: Internet

Comentar

11 + 0 =
Para evitarmos "spams". Resolva esta simples operação matemática. Exemplo: 1+3, digite 4.