Nossos jovens estão morrendo

Nossos jovens estão morrendo
28/11/2013

Se fossemos hoje a Central Funerária fazer um levantamento sobre o número de sepultamentos de jovens da faixa etária entre 18 e 28 anos, ficaríamos espantados com o resultado.
Pois acaba se confirmando aquilo que temos acompanhado na imprensa, sobre as mortes de pessoas jovens envolvidas em acidentes de trânsito e crimes como, assassinatos por acerto de contas.
Os jovens estão morrendo, por que estão vivendo arriscando mais, se envolvendo com drogas e bebidas com mais intensidade e profundidade. Nos cemitérios estão sepultados jovens de várias faixas etárias, são rapazes e moças, que estavam percorrendo um caminho perigoso de aventuras, liberdade sem controle e muita energia sem responsabilidade.
Como chegaram a esta situação? 
São muitos os fatores, pode ser porque faltou freio da família, faltou controle das emoções e sobrou irresponsabilidade. Sem contar que, os instintos jovens afloram de forma ilusória, levando-os ao uso de bebidas alcoólicas em excesso, uso de drogas e demais experiências.
No trânsito também vemos as marcas da violência e os jovens, principalmente os motociclistas. A cada relatório dos bombeiros voluntários de Joinville, mais da metade é o registro de acidentes com jovens embriagados ou drogados. Nos assassinatos, a maioria é jovem, entre 20 e 30 anos, usuários de drogas, pobres, sem trabalho, que já perderam o contato com suas famílias e passam dias fora de casa, até que acontece o encontro com outros envolvidos e a vingança acaba com a vida. 
Os jovens perderam os referenciais familiares e estão pouco se importando com as consequências de seus atos, mesmo que as ameaças sejam fortes e diretas, ainda assim, não acreditam que, poderão ser punidos.
A juventude está morrendo mais também na sua liberdade, as cadeias e penitenciárias estão explodindo pelo grande número de jovens presos. Moças e moços estão deixando suas vidas de lado para vender drogas, consumir drogas, vivem em companhia de amigos que lhe parecem bons e parceiros de verdade, mas, não são nem amigos e muito menos parceiros. São aproveitadores que usam os jovens para seus crimes e seus erros. Cemitérios lotados, cadeias superlotadas, hospitais lotados, todos esses lugares estão contabilizando a cada dia mais números de jovens, vítimas de suas próprias escolhas e anseios.
Por outro lado, está à família que luta para não acontecer o que ela vê acontecendo na casa do vizinho, a violência contra o filho da vizinha, o assassinato da filha da vizinha, a morte no trânsito do filho da vizinha. Quando tudo isso acontece na sua própria família, vem à culpa e o desespero.   
Os jovens precisam parar para pensar o que estão fazendo de suas vidas, deixando com que terminem tão cedo, sem uma esperança que viverão até os 80, 90 anos. Mas preferem desejos passageiros, prazeres passageiros e uma eternidade sem futuro.
Vamos acordar jovens de hoje, olhem pra frente sem pressa e sem medo, olhem pra frente, caminhem com segurança, não tentem pelo prazer momentâneo e que poderá colocá-los no caixão sem vida, sem cor, sem alma, sem brilho, sem música, sem droga, sem desejos e sem o fôlego que o fazem respirar.
Atentem para aquilo que a bíblia diz que os que obedecerem aos seus pais, terão vida prolongada na terra.

Tags: 
ilze.moreira
Ilze Terezinha de Mello Moreira
Sou uma profissional da comunicação, nascida em Joinville, onde iniciei como repórter em 81 na televisão na TV Eldorado (Rede Bandeirantes). Após dois, fui para a CIA. Catarinense de Rádio e Televisão(RBS TV). Fui coordenadora de jornalismo da RBS TV Chapecó e Blumenau e em Joinville, repórter e apresentadora. Fiz campanhas publicitárias em programas políticos de televisão e diversos programas de rádio em várias emissoras. Hoje sou assessora de imprensa e faço rádio\jornalismo Membro da AD Joinville desde 2006 Ilze Moreira

Comentários

Para mim todos os problemas desses " jovens" são psiquiátricos.
Enviado por Anônimo (não verificado) -

Comentar

14 + 2 =
Para evitarmos "spams". Resolva esta simples operação matemática. Exemplo: 1+3, digite 4.